Carreira e Cotidiano

Liberte-se das prisões da mente

Foto: Erica Rodrigues

Já se sentiu sem energia para fazer algo que tanto gostava?

Já se sentiu desmotivado e sem propósito?

Já se sentiu irrelevante?

Se você respondeu sim para essas questões, Cuidado! Pode ser uma armadilha da sua mente. Isso mesmo, uma armadilha que aprisiona e rouba a sua vida, deixa oportunidades passarem por acreditar não ser capaz, por não se sentir motivado nem mesmo a tentar. E assim, se instala um sentimento de frustração constante que declina para a perda de energia e desvalorização da vida.

Os problemas reais existem, e podem ser resolvidos de maneiras reais também, não disse que é fácil, disse ser possível de resolver. Um exemplo pode ser o do desempregado, o problema real seria a falta do emprego, a solução real seria, ir em busca de outro trabalho, fazer atualização se necessário, se inscrever em cursos para melhorar o curriculum, falar com amigos para buscar referencias e se candidatar para as vagas.

No entanto se o desempregado, além do problema real deixa crescer o problema imaginário, que seria um pensamento paralisante e de desvalorização, que não tem embasamento na realidade. Em que a pessoa se sente incapaz de conseguir outro trabalho, por se sentir fracassado, velho demais, ou novo demais, ou menos inteligente, e desistir antes mesmo de iniciar uma tentativa.

Para os problemas reais, você pode buscar soluções, se não sabe pode aprender com ou sem ajuda de alguém.  Para as prisões mentais, não é diferente, mas às vezes sozinho fica mais difícil e o acaba por ficar cativo do circulo vicioso, das prisões metais como: o medo, o isolamento, a culpa, a procrastinação, a inveja, o rancor e as dividas.

O MEDO é uma emoção humana que nos alerta para situações de perigo, e nesse caso é essencial para a sobrevivência. Agora o medo emocional que é considerado aquele medo de fracassar, de se frustrar, de ser rejeitado, de sofrer uma critica ou de ser abandonado. Esses medos causam insegurança, desenvolvem uma visão distorcida da realidade e colocam a incapacidade e inferioridade como verdades inquestionáveis, destruindo sonhos, afastando oportunidades e em casos mais graves causam o isolamento social, reforçando ainda mais a sensação de solidão e o abandono.

O ISOLAMENTO se estabelece a partir de situações desconfortáveis, considerado até um mecanismo de defesa, diante de toda mudança que nos sentimos desprotegidos. Diante de alguma situação nova e ameaçadora buscamos maneiras conhecidas para reagir, alguns ficam paralisados, outros enfrentam, outros correm. Isso com a intenção de que tudo volte ao normal. A questão é, se isso tudo for uma construção da mente, em que se sente o tempo todo, perseguido e ameaçado a tendência é o isolamento negativo, não aquele em que tem uma rotina estabelecida, mas aquele que te impede de criar, se envolver. Que te isola o mundo interno e faz guerra com o mundo externo e se torna resistente a qualquer mudança ou desafio. E não te permite superar, cooperar ou até mesmo evoluir.

A CULPA é negativa quando tentamos nos responsabilizar por algo que não temos controle. Ela é um sentimento que pode dominar, e vem acompanhada de pensamentos destrutivos, desesperança e ainda a falta de perspectiva para o futuro. Com isso vem também à vergonha por atitudes do passado e antecipação de uma possível punição no futuro, e se torna um monstro. Esse conjunto de pensamentos e sentimentos afeta a capacidade de raciocinar para melhores decisões e acaba por impulsionar a erros na tentativa de se sentir melhor. Por fim desenvolvem se comportamentos inadequados, prejudicando a carreira e os relacionamentos.

Bom, se você, por exemplo, sonha e quer realizar algo, mas não o faz por acreditar ser incapaz, tem medo ou culpa, saiba que está em suas mãos libertar a sua mente e se olhar de dentro para fora e conseguir ver o ser humano incrível que Você é! Nas próximas duas semanas continuaremos a discorrer sobre os outros pontos e por fim como lidar com eles. Acompanhe!

Érica Rodrigues

Psicóloga clínica, pós graduada em Psicanálise e Gestão de Pessoas.

Você também pode gostar...