Carreira e Cotidiano

Quando acontece a diversidade nas empresas?

No mês da Consciência Negra o que sua empresa tem feito para contribuir com a diversidade racial?

Foto: depositphotos.com 

20 de Novembro é uma data lembrada e celebrada como o Dia da Consciência Negra.

Tanta se fala, muito se discute, e ainda pouco se faz. Você já pensou em como pode colaborar para que a desigualdade nas empresas não impere?

O assunto não precisaria ser delicado, mas é, e talvez, você ainda possa achar que ela não existe, mais pensa comigo:

 

Quantos colegas negros estudam ou trabalham com você?

Destes, quantos foram promovidos?

Você já teve um Líder negro contribuindo para a sua evolução profissional?

Ok! Então, agora pense: Quantas vezes você foi atendido por um profissional negro? Médico(a), Engenheiro(a), Advogado(a), Professor(a), entre tantas outras profissões.

Talvez, algumas pessoas tenham respostas positivas, e com números altos, sabemos que não. Algumas pessoas, não é o suficiente. Crescemos e fomos educados para que negros, tenham pouco espaço, principalmente em cargos e funções de destaque.

Convido você para assumir um papel na sua comunidade, o de trazer para o seu lado pessoas que possam ajudar a construir pontes para que outras pessoas também possam conquistar. Conquistar uma vaga, Conquistar a estabilidade financeira, a casa própria, o cargo dos sonhos. Conquistar a vida que escolher, e não aquela que for “imposta”.

Sim, o acesso das pessoas negras em grandes postos não é acessível, os poucos que chegam ainda podem ouvir, teve sorte, essa é guerreira(o). Particularmente eu estou criando um avesso a essa palavra, “guerreira” – substantivo feminino, aquela que combate, que guerreia, que tem por característica ser combatente; lutador. Gente, pelo amor de Deus , sempre tem que ser sofrido, lutado, combatido?

E muito ou tudo pela construção da nossa estrutura de sociedade, o processo é longo e histórico. Mais nós podemos mudar, ou começar.

Começa em casa com os nossos pequenos, na escola com o ensinamento da cultura. Crianças não são racistas. Crianças não tem maldade. Crianças são criadas por adultos e essas pessoas podem ter o racismo enraizado.

E no ambiente corporativo também sentimos muitas diferenças.

O mercado de trabalho também pode ser cruel com as pessoas:

Quando em uma visita, o cliente que acaba de te conhecer, olha diferente.

Quando o que você tinha para oferecer era atrativo, até aquele momento, mas depois que ele te olha pela primeira vez e vê que você é uma pessoa negra, tudo pode mudar.

Quando você entra em uma loja x e o famoso: “Posso te ajudar?”, tem tom de “Não posso te ajudar!”

A publicidade não te dá tanta atenção, mas se te escolhem, o seu cachê pode ser menor.

O DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos fala que a desigualdade entre negros e não negros se aprofundou durante a pandemia. Entre o 1º e o 2º trimestre de 2020, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 8,9 milhões de homens e mulheres perderam seus empregos ou deixaram de procurar por uma nova colocação por acreditarem não ser possível conseguir vaga no mercado de trabalho. Desse total, 6,4 milhões eram negros ou negras e 2,5 milhões, trabalhadores e trabalhadoras não negros. Para as mulheres negras, o trabalho doméstico sem carteira aumentou 16,8%; e o por conta-própria, 15,8%.

A média salarial também comprova a desigualdade de remuneração por cor/raça. Enquanto homens e mulheres não negros receberam em média R$ 3.471,00 e R$ 2.674, respectivamente, no 2º trimestre de 2021, trabalhadores negros ganharam R$ 1.968 e trabalhadoras negras, R$ 1.617.

Além de igualitar a faixa salarial urgentemente existem outras ações hoje que farão diferença lá na frente:

Quando abrir uma vaga na sua empresa, por exemplo, estimule a participação de negros no processo seletivo. Se não souber como fazer, procure por universidades ou até mesmo empresas de consultorias especializadas, a dificuldade é tamanha, que essas empresas existem. Vou aproveitar para citar aqui a Gabriela Augusto, mulher trans e negra, fundadora da Transcendemos Consultoria que ajuda organizações a se tornarem mais inclusivas, com apoio na contratação de: Pessoas LGBT, Pessoas Negras, Pessoas com deficiência, Pessoas Indígenas.

Tornar o ambiente corporativo mais diverso é estar aberto a discutir dentro da própria organização dias como o de hoje. E de fato poder celebrar, mais principalmente abraçar o que e importante para a sociedade e para as organizações, as Pessoas!

Não basta chegar nesta ou outra data e levantar a bandeira da igualdade, sem trabalhar a diversidade. Se engajar em notícias, ações e campanhas em datas comemorativas não faz de você (pessoa ou empresa) uma marca com representatividade. Publicidade só não vale. Por fora bela viola.

 

Fonte: Boletim Especial Dia da Consciência Negra-Desigualdade entre negros e não negros se aprofunda durante a pandemia, DIEESE, 2021. Disponível em: https://www.dieese.org.br/boletimespecial/2021/conscienciaNegra.html. Acesso em: 20 de nov. de 2021.

Imagem: <a href=”https://br.depositphotos.com/category/business-finance.html”>Visão parcial da mulher americana africana com pastas remoto trabalhando em casa escritório – null</a>

Rafaela Camargo

Técnica em Gestão Empresarial com expertise em Recursos Humanos e Ética Empresarial, apaixonada por comunicação e uma xicara de café

Você também pode gostar...