Empreendedorismo Negócios

Você empreendedor, já ouviu falar do microcrédito?

Entende-se por microcrédito a concessão de pequenos empréstimos, com taxas de juros mais baixas a micro e pequenos empreendedores, formalizados ou não, e que não teriam acesso ao crédito da mesma forma que as grandes empresas possuem.

A história do microcrédito começa a surgir em meados da década de 70, quando um professor economista indiano, chamado Muhammad Yunus, observou nos arredores da Universidade de Chittagong, em Bangladesh, mulheres artesãs que dependiam de seu trabalho para terem alguma forma de renda e sobrevivência e que não possuíam meios de financiar os materiais necessários ao seu trabalho.

Dessa forma, Yunus juntamente com um grupo de alunos, tomou a iniciativa de emprestar uma quantia bem pequena a um grupo dessas mulheres, acreditando que poderiam honrar com sua dívida. E adivinhe só?

Elas conseguiram honrar seu compromisso e a partir daí Yunus fundou o Grameen Bank, o primeiro conceito de “Banco do Povo”, de caráter social de forma a proporcionar a geração de renda e meio de sobrevivência para pessoas de baixa renda.

Atualmente no Brasil, essa modalidade de financiamento assumiu um formato um pouco diferente do adotado por Yunus em seu Grameen Bank. As instituições adotaram um formato mais comercial, porém sem perder seu objetivo social de fomentar a geração de renda e o empreendedorismo na microeconomia local. Tornou-se uma modalidade de financiamento com taxas muito atrativas, principalmente para microempreendedores individuais, que necessitam de investimentos fixos ou em capital de giro, buscando o crescimento e a sustentabilidade de seu negócio.

Existem programas governamentais formados por fundos públicos, que fazem parte das políticas públicas de geração de emprego e renda. Esses programas oferecem acesso ao crédito por meio de agentes que levantam todas as informações junto cliente de forma personalizada, não se esquecendo de tratar como um “crédito produtivo orientado”, de maneira que esse financiamento aconteça de forma orientada para o empreendimento do cliente, sempre visando a geração de renda de maneira sustentável. As instituições tradicionais de crédito também possuem esse tipo de financiamento apenas com a diferença de que suas taxas são um pouco maiores do que os
programas públicos.

Vale lembrar que antes de procurar esse tipo de investimento, o empreendedor precisa se assegurar de que seu negócio está estruturado de forma planejada e com metas e objetivos definidos para que o financiamento possa ser uma fonte de auxílio para seu crescimento sustentável, fator esse que contribuirá efetivamente para a geração de emprego e renda e o fomento da economia local, onde o empreendimento está inserido. Assim, o microcrédito é uma alternativa para quem quer crescer e tem uma visão de futuro para seu empreendimento, sempre olhando para frente e tendo o sucesso como seu principal objetivo na condução de seu negócio.

Este artigo foi escrito por Rita Scartozoni, funcionária pública, agente de microcrédito e facilitadora de treinamento.

Se quiser saber mais sobre o assunto deixe um comentário.

Você também pode gostar...